31.10.07

O QUE É FILOSOFIA?

A filosofia investiga como se pode viver melhor (ética), que tipos de coisas realmente existem e quais são suas verdadeiras naturezas (metafísica), o que pode ser considerado conhecimento legítimo (epistemologia), e quais são os princípios corretos do raciocínio (lógica). Derivada do grego, a palavra filosofia (φιλοσοφία) significa ‘amor à sabedoria’, associando phílos (φίλος) ‘amigo, ou amante’ a sophia (σοφία) ‘sabedoria’.

Tal definição por si só é tema da própria filosofia; certamente, há muitas maneiras de descrevê-la, algumas enciclopédias caracterizam filosofia em termos de investigação intelectual e da aplicação do raciocínio na análise crítica, bem como do diálogo ou da introspecção para resolver problemas complexos e importantes. Outros afirmam que a filosofia avalia seu próprio processo de investigação. Ainda outros argumentam que filosofia complementa as melhores elaborações em cada campo intelectual.

A situação ficou mais complicada quando a filosofia ocidental contemporânea foi dividida em tradição continental e analítica. Embora a palavra filosofia tenha origem na tradição ocidental, ao longo da história, muitos autores no oriente abordaram tópicos similares de maneiras similares, tais contribuições são conhecidas como filosofia oriental. O que deve, e o que não deve ser considerado como filosofia - e quem pode ou não ser reconhecido como filósofo – são temas freqüentes de debate na tradição ocidental.

Historicamente, a filosofia foi associada aos assuntos mencionados acima. Além disso, existe uma busca contínua por um padrão que una as discordantes atividades e os contraditórios interesses filosóficos daqueles que estudaram tais assuntos. É possível listar uma série de propostas explicativas de diversos filósofos ou tradições filosóficas sobre o que a filosofia é, e o que não pode ser. Conseqüentemente, o relativismo meta-filosófico sustenta que qualquer afirmação pode ser considerada uma afirmação filosófica, pois não há nenhum modo objetivo de desqualificá-la como tal.

Alguns teóricos defendem a posição que qualquer filosofia construída é simplesmente uma reflexão sobre os laços que unem socialmente uma pessoa a certa cultura. Segundo Hegel, "a Filosofia é aquilo que retém sua própria época no pensamento.”.

Platão, ou o protagonista nos seus diálogos Sócrates, sugeriu certo número de virtudes para os filósofos. Uma das virtudes é o sentimento da curiosidade (ânsia pelo saber) relacionada ao mundo. Entre outras coisas, Platão não aceitou que os retóricos tivessem lugar na filosofia (especialmente em Gorgias). Analogamente, Berkeley declarou que a filosofia era nada mais do que o estudo de sabedoria e da verdade.

Ainda outras virtudes podem ser retiradas da literatura, as inspiradas na famosa crítica aos filósofos de Karl Marx nas Teses sobre Feuerbach, a então criada virtude de natureza crítica do pensamento filosófico como instrumento direcionado à crítica social e à correta práxis . Muitas visões tentaram demolir o que ocorre em uma ou outra parte da filosofia. Os positivistas lógicos negaram a validade da metafísica e da filosofia tradicional, e proclamaram que as afirmações sobre metafísica, religião e ética são destituídas da significação cognitiva e são nada mais do que a expressão de sensações ou desejos. Um outro exemplo é aquele de Nietzsche denunciando filósofos "que não são honestos bastante em seu trabalho, embora façam uma grande e virtuosa algazarra quando o problema da veracidade é tocado mesmo levemente”.

Todos eles se colocam como se tivessem descoberto e encontrado suas verdadeiras opiniões pelo autodesenvolvimento de uma dialética divinamente isenta... enquanto no fundo é uma suposição, um pressentimento. De fato uma espécie "de inspiração" - muitas vezes um desejo do coração que foi filtrado e tornado abstrato - feito isto, defendem suas especulações com razões forjadas extrapolando fatos. Outros, como Francis Bacon, argumentaram que a filosofia não contribui para nada, é simplesmente um eco da natureza.

Entretanto, concepções positivas de filosofia não são difíceis encontrar. O que caracteriza um trabalho filosófico sadio é às vezes sintetizado pelo conceito ‘Método Filosófico’. Alguns filósofos entenderam que a filosofia é a busca e a demarcação dos limites e poderes do raciocínio humano e que os argumentos devem seguir as regras da lógica para evitar falácias. Admite-se, também, que o método científico deve ser seguido tão estreitamente quanto permitirem os tópicos trabalhados . Se um ramo da filosofia em algum momento puder seguir totalmente as normas do método científico, este não é mais denominado filosofia, mas sim ciência..

Termos depreciadores foram criados para fornecer exemplos de não-filósofos e não-filosofias. "A Pseudofilosofia" é usada para descrever aquelas atividades que não se associam com uma espécie sensata de questionamento, e "philosophaster" é um termo usado para descrever aqueles que se ocupam com pseudofilosofia.

“A filosofia deve começar com algo tão simples que não pareça ser digna de crédito, e terminar com algo tão paradoxal que provocará até pânico.” Bertrand Russell (quoted by John D. Barrow, Pi in the Sky, 1992, p. 188) Wikipedia: Philosophy

A história da filosofia é o estudo das idéias filosóficas e de conceitos através do tempo. Questões especificamente relacionadas à história da filosofia poderiam incluir: Como transformações na filosofia podem ser avaliadas historicamente? O que influencia o desenvolvimento do pensamento em seu contexto histórico? Até que ponto textos filosóficos de eras históricas prévias podem ser entendidos hoje?

Seja ocidental, oriental, religiosa ou secular, as escolas filosóficas desenvolveram-se pela tradição e por descobertas independentes. Suas teorias derivaram de diferentes premissas e abordagens, como exemplos pode-se incluir o racionalismo -teorias derivadas da lógica, assim como as filosofias supernaturalistas e as religiões. A história da filosofia procura catalogar e classificar tal desenvolvimento, e portanto, procura compreender o desenvolvimento das idéias filosóficas através do tempo. Wikipedia: History of Philosophy

2 comentários:

A. Vasconcelos disse...

Gostei bastante da introdução e principalmente das indicações de links, o que me ajudou muito... Porém, poderias colocar como, de certa forma um prefácio à introdução, do público alvo do blog, já que a leitura da mesma introdução exige aparato de terminologias filosóficas... no mais, está ótimo!

Abraço a todos

Assessoria de Imprensa ONHB disse...

Atenção alunos e professores de História:

Começaram as inscrições para a 6ª Olimpíada Nacional em História do Brasil!

Alunos do Oitavo ano do Fundamental até o Terceiro ano do Ensino Médio já podem se inscrever para mais uma edição da nossa Olimpíada!

Equipes de 4 integrantes, sendo compostas pelo professor de história da escola e 3 alunos, encaram desafios semanais nas 4 fases online e se preparam intensamente para a Grande Final presencial, em Campinas/SP.
As inscrições podem ser feitas a partir deste link, onde também consta o Regulamento Oficial:

http://www.olimpiadadehistoria.com.br/6-olimpiada/regulamento/index


Sobre a ONHB:

Nossa Olimpíada é realizada desde 2009 pela UNICAMP, com o apoio do CNPQ/MEC/MCT. Milhares de estudantes e professores de todos os estados brasileiros se reúnem para responder questões que proporcionam uma reflexão sobre a construção da nossa sociedade. A construção do método histórico, sua aplicação e desenvolvimento compõem cerne do desafios semanais, estimulando nossos participantes a experimentar esse processo de investigação.
Lembrem-se: as inscrições vão até 20 de abril!