31.10.07

O QUE É FILOSOFIA?

A filosofia investiga como se pode viver melhor (ética), que tipos de coisas realmente existem e quais são suas verdadeiras naturezas (metafísica), o que pode ser considerado conhecimento legítimo (epistemologia), e quais são os princípios corretos do raciocínio (lógica). Derivada do grego, a palavra filosofia (φιλοσοφία) significa ‘amor à sabedoria’, associando phílos (φίλος) ‘amigo, ou amante’ a sophia (σοφία) ‘sabedoria’.

Tal definição por si só é tema da própria filosofia; certamente, há muitas maneiras de descrevê-la, algumas enciclopédias caracterizam filosofia em termos de investigação intelectual e da aplicação do raciocínio na análise crítica, bem como do diálogo ou da introspecção para resolver problemas complexos e importantes. Outros afirmam que a filosofia avalia seu próprio processo de investigação. Ainda outros argumentam que filosofia complementa as melhores elaborações em cada campo intelectual.

A situação ficou mais complicada quando a filosofia ocidental contemporânea foi dividida em tradição continental e analítica. Embora a palavra filosofia tenha origem na tradição ocidental, ao longo da história, muitos autores no oriente abordaram tópicos similares de maneiras similares, tais contribuições são conhecidas como filosofia oriental. O que deve, e o que não deve ser considerado como filosofia - e quem pode ou não ser reconhecido como filósofo – são temas freqüentes de debate na tradição ocidental.

Historicamente, a filosofia foi associada aos assuntos mencionados acima. Além disso, existe uma busca contínua por um padrão que una as discordantes atividades e os contraditórios interesses filosóficos daqueles que estudaram tais assuntos. É possível listar uma série de propostas explicativas de diversos filósofos ou tradições filosóficas sobre o que a filosofia é, e o que não pode ser. Conseqüentemente, o relativismo meta-filosófico sustenta que qualquer afirmação pode ser considerada uma afirmação filosófica, pois não há nenhum modo objetivo de desqualificá-la como tal.

Alguns teóricos defendem a posição que qualquer filosofia construída é simplesmente uma reflexão sobre os laços que unem socialmente uma pessoa a certa cultura. Segundo Hegel, "a Filosofia é aquilo que retém sua própria época no pensamento.”.

Platão, ou o protagonista nos seus diálogos Sócrates, sugeriu certo número de virtudes para os filósofos. Uma das virtudes é o sentimento da curiosidade (ânsia pelo saber) relacionada ao mundo. Entre outras coisas, Platão não aceitou que os retóricos tivessem lugar na filosofia (especialmente em Gorgias). Analogamente, Berkeley declarou que a filosofia era nada mais do que o estudo de sabedoria e da verdade.

Ainda outras virtudes podem ser retiradas da literatura, as inspiradas na famosa crítica aos filósofos de Karl Marx nas Teses sobre Feuerbach, a então criada virtude de natureza crítica do pensamento filosófico como instrumento direcionado à crítica social e à correta práxis . Muitas visões tentaram demolir o que ocorre em uma ou outra parte da filosofia. Os positivistas lógicos negaram a validade da metafísica e da filosofia tradicional, e proclamaram que as afirmações sobre metafísica, religião e ética são destituídas da significação cognitiva e são nada mais do que a expressão de sensações ou desejos. Um outro exemplo é aquele de Nietzsche denunciando filósofos "que não são honestos bastante em seu trabalho, embora façam uma grande e virtuosa algazarra quando o problema da veracidade é tocado mesmo levemente”.

Todos eles se colocam como se tivessem descoberto e encontrado suas verdadeiras opiniões pelo autodesenvolvimento de uma dialética divinamente isenta... enquanto no fundo é uma suposição, um pressentimento. De fato uma espécie "de inspiração" - muitas vezes um desejo do coração que foi filtrado e tornado abstrato - feito isto, defendem suas especulações com razões forjadas extrapolando fatos. Outros, como Francis Bacon, argumentaram que a filosofia não contribui para nada, é simplesmente um eco da natureza.

Entretanto, concepções positivas de filosofia não são difíceis encontrar. O que caracteriza um trabalho filosófico sadio é às vezes sintetizado pelo conceito ‘Método Filosófico’. Alguns filósofos entenderam que a filosofia é a busca e a demarcação dos limites e poderes do raciocínio humano e que os argumentos devem seguir as regras da lógica para evitar falácias. Admite-se, também, que o método científico deve ser seguido tão estreitamente quanto permitirem os tópicos trabalhados . Se um ramo da filosofia em algum momento puder seguir totalmente as normas do método científico, este não é mais denominado filosofia, mas sim ciência..

Termos depreciadores foram criados para fornecer exemplos de não-filósofos e não-filosofias. "A Pseudofilosofia" é usada para descrever aquelas atividades que não se associam com uma espécie sensata de questionamento, e "philosophaster" é um termo usado para descrever aqueles que se ocupam com pseudofilosofia.

“A filosofia deve começar com algo tão simples que não pareça ser digna de crédito, e terminar com algo tão paradoxal que provocará até pânico.” Bertrand Russell (quoted by John D. Barrow, Pi in the Sky, 1992, p. 188) Wikipedia: Philosophy

A história da filosofia é o estudo das idéias filosóficas e de conceitos através do tempo. Questões especificamente relacionadas à história da filosofia poderiam incluir: Como transformações na filosofia podem ser avaliadas historicamente? O que influencia o desenvolvimento do pensamento em seu contexto histórico? Até que ponto textos filosóficos de eras históricas prévias podem ser entendidos hoje?

Seja ocidental, oriental, religiosa ou secular, as escolas filosóficas desenvolveram-se pela tradição e por descobertas independentes. Suas teorias derivaram de diferentes premissas e abordagens, como exemplos pode-se incluir o racionalismo -teorias derivadas da lógica, assim como as filosofias supernaturalistas e as religiões. A história da filosofia procura catalogar e classificar tal desenvolvimento, e portanto, procura compreender o desenvolvimento das idéias filosóficas através do tempo. Wikipedia: History of Philosophy

FILOSOFIA ANTIGA

A filosofia ocidental surgiu nas cidades gregas da Ásia Menor no século VI A.C., e a primeira escola de pensamento que admitiu ser o universo explicável pela investigação racional foi a dos filósofos-naturais da Escola de Mileto.

Os filósofos pré-socráticos rejeitaram as tradicionais explanações mitológicas para os fenômenos e mistérios da vida e buscaram explicações mais racionais. Quando perguntavam: ‘O que é natureza (physis)’ entendiam “Qual é a substância geradora de todas as coisas?”.
Esses filósofos tentaram definir todas as coisas pela sua substância primeira (arché) da qual o universo teria sido formado e que seria a fonte de toda a vida.

Tales pensou ser a água. Mas como era impossível explicar que algumas coisas (tais como o fogo) procedem deste elemento, Anaximandro escolheu um elemento inobservável e indefinido, o ‘apeiron'.
A natureza indeterminada do apeiron despertou críticas, levando Anaxímenes a definir o ar como elemento primordial, um elemento mais concreto, contudo ainda, elemento sutil. Anaxímenes sustentou que pela evaporação e condensação, o ar pode se transformar em outros elementos tais como o fogo, a água, e a terra.

Outros pensadores e escolas de pensamento apareceram por toda Grécia nos séculos seguintes. Entre os mais importantes destacam-se:

Pitágoras considerou o número como princípio fundamental e essência de todas as coisas. Ele não fazia distinção entre forma, lei, e substância. Considerava o número o elo entre estes elementos, levando-o a descobrir várias relações matemáticas no mundo natural.

Heráclito discordou de Tales, Anaximandro, e Pitágoras sobre a natureza última da substância, Em contraste, propôs que a natureza de tudo é a própria mudança (devir). Para Heráclito tudo está em "fluxo", como exemplificado no seu aforismo famoso "Panta Rhei": "Tudo flui e nada é imutável. Ou Tudo flui e nada é permanente. Ou Todas as coisas estão em movimento e nada permanece imóvel”.
A idéia de logos também lhe é creditada, uma vez que proclama que tudo deriva do logos. Além disso, Heráclito disse "sou como não sou", e "Quem me ouve, não me ouve, mas ao logos que dirá "Tudo é um". Heráclito considerou o argumento da mudança fundamental a qualquer teoria da natureza.

Empédocles foi o primeiro a propor que a matéria é formada por quatro elementos: terra, água, ar e fogo. “E, para explicar a diversidade de formas materiais, postula a existência de um par de forças: amor (philia) e ódio (neikos) responsáveis pela combinação e separação dos elementos...”.

Anaxágoras (a realidade é tão ordenada que só pode ser governadas por uma mente inteligente),

Os Pluralistas e os Atomistas (o mundo é formado por inumeráveis elementos que interagem entre si).

Os Eleátas, Parmênides e Zenão ( Tudo é Um e a mudança é impossível), os Sofistas(tornaram-se conhecidos, talvez injustamente, por considerar a verdade não mais do que opinião e por ensinar a discutir falaciosamente comprovando quaisquer conclusões). Esses movimentos gradualmente se concentraram em Atenas, que se tornara a cidade-estado dominante na Grécia.

Há considerável discussão sobre por que a cultura Ateniense estimulou a filosofia, mas uma teoria popular diz que ele ocorreu porque Atenas teve uma democracia direta. É conhecido dos textos de Platão que muitos sofistas mantiveram escolas de debate, foram membros respeitados da sociedade, e bem pagos pelos seus estudantes. Os oradores influíram na história Ateniense, possivelmente até causando o seu fracasso (Veja a Batalha de Lade).

Outra teoria explica a origem do debate filosófico em Atenas pela presença de mão-de-obra escrava que executava as funções necessárias que teriam consumido o tempo dos cidadãos livres masculinos. Liberados do trabalho nos campos e de outras atividades econômicas manuais puderam participar de reuniões em Atenas e passar longos períodos discutindo filosofia popular. Os estudantes Sofistas deveriam desenvolver a habilidade da oratória para influir na Assembléia Ateniense e para adquirir respeito e fortuna. Conseqüentemente, os objetos e os métodos de debate foram altamente desenvolvidos pelos Sofistas. Pre–Socratic philosophy: Wikipedia

Sócrates
A figura-chave na transformação de filosofia grega em um projeto unificado e permanente (pretensão não alcançada ainda hoje) é Sócrates, que estudou com vários Sofistas.

Diz-se que depois de uma visita ao Oráculo de Delfos ele passou grande parte da sua vida interrogando pessoas em Atenas para refutar a profecia oracular que não havia alguém mais sábio do que Sócrates. Através desses diálogos vivos, ele examinou conceitos comuns, mas críticos que necessitavam de definições claras e concretas, como beleza e verdade, e as virtudes: piedade, sabedoria, temperança, coragem, e justiça. Sócrates, consciente da própria ignorância, percebeu seus próprios erros bem como os erros daqueles que apresentavam ‘conhecimentos’ baseados em preceitos falsos e pouco nítidos ou em meras crenças. Ele não escreveu nada, mas influenciou muitos discípulos, incluindo filhos de proeminentes cidadãos Atenienses (inclusive Platão), que o levaram ao julgamento e execução em 399 antes de Cristo, sob acusação de que sua filosofia e sua dialética corrompiam a juventude, a religiosidade, e a fibra moral da cidade. Teve a chance de se livrar desse destino, mas decidiu permanecer no Atenas e, segundo seus princípios, beber a cicuta.

Método Socrático
Com certeza sua contribuição mais importante para o pensamento ocidental é a sua dialética (respondendo a uma pergunta com outra pergunta) o método da interrogação, conhecido como Método Socrático ou ‘elenchos’, que ele amplamente aplicou ao exame de conceitos morais-chaves como o Bem e a Justiça. Foi primeiramente descrito por Platão nos Diálogos Socráticos. Para resolver um problema você faz uma pergunta e encontrando a resposta você terá uma provável resposta ao seu problema. Isto levou ao surgimento do Método Científico, no qual o primeiro passo diz formular o problema como pergunta. Portanto, Sócrates é habitualmente considerado o pai da filosofia política e da ética ou filosofia moral, e fonte dos principais temas na filosofia Ocidental, em geral. (O método pode ter sido sugerido por Zenão de Elea, mas Sócrates refinou-o e aplicou-o a problemas éticos.)

Neste método, uma série de perguntas é colocada para ajudar uma pessoa ou o grupo de pessoas na determinação de suas crenças subjacentes e da extensão do seu conhecimento. O método Socrático é um método negativo de eliminação de hipóteses, em que as melhores hipóteses são encontradas pela persistente identificação e eliminação daquelas que levam a contradição. Foi projetado para forçar as pessoas a examinarem a validade das suas próprias crenças. De fato, Sócrates uma vez disse, "sei que você não me acreditará, mas a forma mais alta da Excelência Humana é interrogar a si mesmo e aos outros”. Veja o artigo: Socratic method


Platão
O discípulo mais importante de Sócrates foi Platão que fundou a Academia em Atenas e escreveu inúmeros diálogos aplicando o método Socrático de questionamento. Uma das idéias centrais dos diálogos de Platão é a Teoria de Formas, isto é, que a mente é dotada de uma capacidade inata para entender e contemplar conceitos do mais alto nível do 'mundo das idéias', conceitos mais reais, permanentes, e universais do que as meras representações de coisas do mundo sensível, que são simplesmente mutáveis e temporais.

No seu trabalho mais famoso, A República, Platão ataca o sistema democrático, responsabilizando-o pela derrota de Atenas na guerra de Peloponeso - considera a indecisão do povo (que votavam sobre tudo, incluindo a estratégia militar) a razão para a derrota militar. Propôs em substituição uma estrutura de três classes sociais: trabalhadores, militares e filósofos, em ordem crescente de poder (conveniente para ele e seus discípulos, obviamente), valorizando o amplo conhecimento dos filósofos como a razão para um melhor governo da sociedade.

Platão trata da natureza e sua origem no diálogo Timeu. O Timeu propõe que desde que nada "existe ou se transforma" sem uma causa, então a causa do universo deve ser um Demiurgo ou Deus, ao qual se refere como o pai do universo. Usando o mundo eterno e perfeito das "formas" ou das idéias como protótipo, o demiurgo aplica-se a criar nosso mundo, que no princípio era o caos. O Timeu descreve este caos como uma falta de homogeneidade ou equilíbrio, em que os quatro elementos (terra, ar, fogo e água), amorfos e misturados estavam em caótico movimento. O ato essencial do criador é impor ordem e consistência este caos e anarquia...
O Timeu de Platão questiona a criação dos quatro elementos (terra, água, ar, e fogo) que o pensamento dos antigos gregos supunha ter produzido o universo. ... O Timeu de Platão postula a existência de um quinto elemento (que corresponde ao quinto sólido platônico, o dodecaedro) chamado quintessência, do qual o próprio cosmos é derivado. O Timeu discute também a teoria da música: por exemplo, a construção da escala pitagórica. A última parte do diálogo dirige-se à criação dos seres humanos, incluindo a alma, a anatomia, a percepção, e a transmigração da alma. Wikipedia: Platão

Aristóteles
O discípulo mais importante de Platão foi Aristóteles, provavelmente o primeiro filósofo a criar realmente um sistema filosófico. A lógica aristotélica foi o primeiro tipo de lógica que tentou categorizar cada silogismo válido.

Aristóteles define filosofia em termos de essência, declara que filosofia é "a ciência da essência universal". Platão define filosofia como "ciência da idéia", entendendo idéia aquilo que devemos chamar a base incondicional dos fenômenos. Ambos consideram a filosofia preocupada com o universal; Aristóteles, entretanto, encontra o universal nas coisas particulares, chamando-o a essência das coisas, enquanto Platão descobre que o universal existe além das coisas particulares, e lhes é relacionado como seu protótipo ou exemplar.
Para Aristóteles, conseqüentemente, o método filosófico implica 'a subida' do estudo de fenômenos particulares ao conhecimento das essências, enquanto para Platão o método filosófico significa ‘a descida' do conhecimento de idéias universais a uma contemplação de imitações particulares daquelas idéias. Em algum sentido, o método de Aristóteles é indutivo e dedutivo, enquanto o de Platão é essencialmente dedutivo, a partir de princípios a priori.
Na terminologia de Aristóteles, a expressão filosofia natural corresponde aos fenômenos do mundo natural, que incluem: movimento, luz, e as leis da física. Muitos séculos mais tarde estes assuntos transformar-se-iam em base da ciência moderna, estudado através do método científico...
O método de Aristóteles tem como foco a dedução (silogismo). O que é uma dedução? Aristóteles diz: Uma dedução é o discurso onde uma conclusão é alcançada, necessariamente, a partir de determinadas suposições. Cada uma das "suposições" é uma premissa do raciocínio, e o que resulta é a conclusão. A dedução é uma das duas espécies de raciocínio reconhecidas por Aristóteles. A outra é a indução. Ele tem pouco a dizer sobre indução, mas com algum esforço caracteriza ‘indução’ como o "raciocínio que se move do particular ao universal". Entretanto, a indução desempenha papel crucial na teoria do conhecimento científico...
"Indução ou raciocínio indutivo, também chamado de lógica indutiva, é o processo de raciocínio no qual as premissas de um argumento (consideradas verdadeiras) permitem uma generalização (estabelece proposições universais a partir de casos particulares) mas não asseguram suavalidade. É empregada na formulação de leis gerais ou teorias baseadas em observações ‘limitadas’ de padrões repetitivos encontrados no mundo natural".

Ceticismo
O ceticismo filosófico surgiu na antiga filosofia grega. Um de seus primeiros defensores, Pirro deElis (360-275 B.C.), após viajar e estudar na Índia propôs a adoção de um ceticismo “prático”. Posteriormente, na ‘Nova Academia’ Arcesilaus (315-241 B.C.) e Carneades (213-129 B.C.) defenderam concepções mais teóricas, através das quais as idéias de verdade e falsidade absolutas seriam refutadas. Carneades criticou as visões dos Dogmáticos, especialmente dos defensores do Estoicismo, sustentando que a certeza absoluta do conhecimento é impossível.Sextus Empiricus (200 B.C.), a principal autoridade do ceticismo grego, desenvolveu uma nova posição, incorporou elementos do empirismo como base para a elaboração do conhecimento.

Os céticos gregos criticaram os estóicos, acusando-os de dogmatismo. Para os céticos, as formas lógicas dos argumentos eram indefensáveis, porque confiavam em proposições que não poderiam ser consideradas verdadeiras ou falsas, pois dependiam de proposições adicionais. Chamado oargumento da regressão, onde cada proposição depende de outras proposições para manter sua validade. Além disso, os céticos argumentavam que duas proposições não poderiam depender uma da outra, porque isto criaria um argumento circular (p implica q, assim como, q implica p). Para os céticos tal lógica era uma medida inadequada da verdade porque poderia criar tantos problemas quanto os que teria resolvido. A verdade não era, necessariamente inatingível, mas uma idéia que ainda não existe em forma pura. Embora o ceticismo seja acusado de negar a possibilidade da verdade, na realidade parece ter sido, principalmente, uma escola crítica que meramente afirmou que os lógicos não conseguiram descobrir a verdade.

Filosofia Ocidental /Pré-Socráticos e sofistas

Thales (624-546 BC)
Anaximander (610-546 BC)
Anaximenes (585-525 BC)
Pherecydes of Syros (6th century BC)

Pythagoras (582-507 BC)

Xenophanes (570-480 BC)

Heraclitus (535-475 BC)
Parmenides (515-450 BC)
Anaxagoras (500-428 BC)
Zeno of Elea (490-430 BC)
Empedocles (490-430 BC)
Protagoras (481-420 BC)
Antiphon (480-411 BC)
Philolaus (480-405 BC)
Melissus of Samos (470-? BC)
Leucippus (first half of 5th century BC)
Democritus (460-370 BC)
Prodicus (465/450-after 399 BC)
Hippias (middle of the 5th century BC)
Diogenes of Apollonia (460-? BC)
Thrasymachus (459-400 BC)

Filósofos da Grécia clássica

Socrates (469-399 BC)
Euclid of Megara (450-380 BC)
Antisthenes (445-360 BC)
Aristippus (435-356 BC)
Plato (428-347 BC)
Xenophon (429-355 BC)
Speusippus (407-339 BC)
Diogenes of Sinope (400-325 BC)
Xenocrates (396-314 BC)
Aristotle (384-322 BC)
Stilpo (380-300 BC)
Theophrastus (370-288 BC)

Período Helenístico

Pyrrho (365-275 BC)
Epicurus (341-270 BC)
Zeno of Citium (333-263 BC)
Cleanthes (331-232 BC)
Timon (320-230 BC)

Arcesilaus (316-232 BC)
Menippus (3rd century BC)
Archimedes (c. 287-212 BC)
Chrysippus (280-207 BC)
Carneades (214-129 BC)
Kleitomachos (187-109 BC)
Philo of Larissa (160-80 BC)
Posidonius (135-51 BC)
Antiochus of Ascalon (130-68 BC)
Aenesidemus (1st century BC)
Philo of Alexandria (30 BC - 45 AD)
Agrippa (1st century AD)

Escolas do periodo Helenístico

Cynicism
Epicureanism
Hedonism
Eclecticism
Neo-Platonism
Skepticism
Stoicism
Sophism

Filósofos Romanos e da antiguidade clássica

Cicero (106-43 BC)
Lucretius (94-55 BC)
Seneca (4 BC - 65 AD)
Musonius Rufus (30 AD - 100 AD)
Plutarch (45-120 AD)
Epictetus (55-135 AD)
Marcus Aurelius (121-180 AD)
Clement of Alexandria (150-215 AD)
Alcinous (2nd century AD)
Sextus Empiricus (3rd century AD)
Alexander of Aphrodisias (3rd century AD)
Ammonius Saccas (3rd century AD)
Plotinus (205-270 AD)
Porphyry (232-304 AD)
Iamblichus (242-327 AD)
Themistius (317-388 AD)
Augustine of Hippo (354-430 AD)
Proclus (411-485 AD)
Damascius (462-540 AD)
Boethius (472-524 AD)
Simplicius of Cilicia (490-560 AD


FILOSOFIA ORIENTAL

Filosofia Hindu / Filosofia Védica

A filosofia da Índia começa com os Vedas, onde são feitas perguntas relativas às leis da natureza, à origem e posição do homem no universo. No famoso Hino da criação do Rigveda o autor diz:

"De onde toda a criação teve sua origem? Ele, se Ele a formou ou se Ele não a formou? Ele, que observa tudo do mais alto céu, Ele sabe? - ou talvez até Ele não sabe?"

Na visão Védica, a criação é atribuída à autoconsciência do ser primordial (Purusha). Isto leva a investigar quem é o fundamento da diversidade dos fenômenos empíricos e origem de todas as coisas. A ordem cósmica é denominada rta e a lei causal carma. A natureza (prakriti) possui três qualidades (sattva, rajás, e tamas).

Filosofia Hindu Clássica

Na era clássica essas interrogações foram sistematizadas em seis escolas de filosofia. Algumas perguntas feitas foram:
Qual é a natureza ontológica da consciência?
Como a própria cognição é experienciada?
É a mente (chit) intencional ou não?
A cognição tem a sua própria estrutura?

As Seis escolas da filosofia hindu são:
Nyaya
Vaisheshika
Samkhya
Yoga
Mimamsa (Purva Mimamsa)
Vedanta (Uttara Mimamsa)

Veja também:Indian philosophy, Hindu philosophy and Hinduism (section Hindu philosophy: the six Vedic schools of thought)

Some ancient philosophers:

Asanga (c. 300), exponent of the Yogacara
Bhartrihari (c 450–510 AD), early figure in Indic linguistic theory
Bodhidharma (c. 440–528 AD), founder of the Zen school of Buddhism
Chanakya (c.350 - c.275 BC) , author of Arthashastra, professor (acharya) of political science at the Takshashila University
Dignāga (c. 500), one of the founders of Buddhist school of Indian logic.
Gautama Buddha (563 BC - 483 BC), founder of Buddhist school of thought
Gotama (c. 2nd–3rd century AD), wrote the Nyaya Sutras, considered to be the foundation of the Nyaya school.
Kanada (c. 600 BC), founded the philosophical school of Vaisheshika, gave theory of atomism
Jaimini, author of Purva Mimamsa Sutras
Kapila (c. 500 BC), proponent of the Samkhya system of philosophy
Nagarjuna (c. 150 - 250 AD), the founder of the Madhyamaka (Middle Path) school of Mahāyāna Buddhism.
Panini (520–460 BC), grammarian, author of Ashtadhyayi
Patañjali (between 200 BC and 400 AD), developed the philosophy of Raja Yoga in his Yoga Sutras.
Pingala (c. 500 BC), author of the Chandas shastra
Syntipas (c. 100 BC), author of The Story of the Seven Wise Masters.
Tiruvalluvar (between 100 BC and 300 AD), author of Thirukkural, one of the greatest ethical works in Tamil language
Vasubandhu (c. 300 AD), one of the main founders of the Indian Yogacara school.
Vyasa, author of several important works in Hindu philosophy
Yajnavalkya (c. 800 BC), linked to philosophical teachings of the Brhadaranyaka Upanishad, and the apophatic teaching of 'neti neti' etc.
Ancient Philosophy: wikipedia

Filosofia Iraniana Antiga

A filosofia iraniana ou a filosofia persa pode ser associada às antigas tradições filosóficas iranianas, fundamentada em raízes indo-iranianas, consideravelmente influenciadas pelas concepções deZaratustra. Ao longo da história iraniana e devido a notáveis modificações políticas e sociais como as invasões da Macedônia, a Árabe e a Mongol na Pérsia, um amplo espectro de escolas de pensamento desenvolveram várias visões traduzidas em perguntas filosóficas que se estendem de antigo iraniano e tradições principalmente relacionadas ao Zoroastrianismo à escolas que apareceram posteriormente na era pré-islâmica como o Maniqueísmo e Mazdakismo, bem como várias escolas pós-islâmicas. A Filosofia iraniana depois da invasão árabe é caracterizada por interações diferentes com a antiga filosofia iraniana, a filosofia grega e com o desenvolvimento dafilosofia Islâmica. A Escola de Iluminação e a Filosofia Transcendente são consideradas as duas das principais tradições filosóficas daquela era na Pérsia.

Embora existam relações antigas entre os Vedas indianos e o iraniano Avesta, as duas famílias principais das tradições filosóficas indo-iranianas foram caracterizadas por diferenças fundamentais sobre a posição do ser humano na sociedade e a sua visão do papel do homem no universo. A primeira carta de direitos humanos por Ciro o Grande é largamente vista como uma reflexão sobre perguntas e pensamentos expressos por Zaratustra desenvolvidos nas escolas de pensamento do Zoroastrianismo.

Zarathustra
Avesta
Gathas
Mazdakism
Manichaeism
Iranian philosophy
and Zoroastrianism

Filosofia Chinesa

A filosofia influenciou significativamente a civilização chinesa e, também, toda a Ásia oriental. Muitas das grandes escolas filosóficas chinesas foram desenvolvidas durante o Período da Primavera e do Outono e no Período de Guerra, e tornaram-se conhecidas como as Cem Escolas de Pensamento. As quatro mais influentes foram o Confucionismo, o Taoísmo, o Mohism, e oLegalismo. Mais tarde, durante a Dinastia Tang, o budismo vindo da Índia tornou-se um respeitável sistema filosófico e religioso. (É importante notar que no pensamento oriental, ao contrário da filosofia Ocidental, não há uma clara distinção entre filosofia e religião.)

A filosofia chinesa, assim como a filosofia Ocidental, envolve uma ampla e complexa extensão do pensamento, possuindo uma infinidade de escolas que se ocupam de cada área específica da filosofia.
Veja também: Yin-Yang, Qi, Tao, Li, I Ching

Tópicos relacionados: Korean philosophy, Bushido, Zen, The Art of War, Asian Values

Taoism and Confucianism
Chinese philosophy
Confucianism
Taoism,
Legalism
Buddhist philosophy
Eastern philosophy
Chinese philosophy

Filosofia Islâmica

A filosofia islâmica como ramo dos estudos islâmicos, é uma antiga tentativa de conciliar filosofia(razão) e a religião do islã ().
A filosofia islâmica pode ser definida de diversas formas, representa um estilo de filosofia característico da cultura islâmica. Esta descrição não sugere que está necessariamente relacionada com formulações religiosas, nem mesmo que é exclusivamente produzida por muçulmanos.
As principais fontes da filosofia islâmica clássica são: a própria religião do islã (especialmente idéias derivadas e interpretadas do Alcorão), a filosofia grega que os muçulmanos herdaram em conseqüência de conquistas quando a Alexandria, a Síria e Jundishapur se submeteram às regras muçulmanas, juntamente com a filosofia pré-Islâmica do Irã e da Índia. Muitos dos debates filosóficos centraram-se em torno da reconciliação entre religião e razão.
No primitivo pensamento islâmico duas correntes principais podem ser distinguidas: a primeira é o Kalam, que trata principalmente das perguntas teológicas, e a segunda é o Falsafa, que foi fundamentado no pensamento grego.

Veja o artigo: Islamic philosophy

Jewish philosophy
See article Jewish philosophy

African philosophy
See article African philosophy

Links
Wikipedia: História da Filosofia
Eastern philosophy
Western philosophy

Ancient philosophy
History of Western philosophy
Philosophy


FILOSOFIA MEDIEVAL

A filosofia medieval é a filosofia da Europa Ocidental e do Oriente Médio no período medieval ou Idade Media, e se estende da queda do Império Romano à Renascença. É respeitada pela redescoberta da cultura antiga desenvolvida na Grécia e em Roma no período clássico, e também, pela formulação de problemas teológicos e por integrar a doutrina sagrada com a aprendizagem secular.

Os principais problemas discutidos ao longo deste período foram as relações entre fé e razão, a existência e unidade de Deus, os objetos da teologia e da metafísica, e os problemas do conhecimento, dos universais, e da individuação.

Características da filosofia medieval
A era medieval foi menosprezada pelos humanistas da Renascença, que a viram como um ingênuo período “intermediário' entre a idade clássica da cultura grega e romana, e o 'renascimento' ou Renascença da cultura clássica. Embora este período de quase mil anos seja o período mais longo de desenvolvimento filosófico na Europa e do Oriente Médio, é talvez o mais rico. Jorge Gracia argumentou que 'em intensidade’, sofisticação e realização pode-se dizer, com certeza, que o florescimento da filosofia no décimo terceiro século rivaliza-se com a idade de ouro da filosofia grega no quarto século BC' (Gracia, p. 1).

A filosofia medieval é tipicamente teológica devido ao tema profundamente discutido naquela época: fé vs. razão. Avicenna e Averroes apoiaram-se mais na razão enquanto Augustinho e Anselmo acreditam na primazia da fé. A solução Agostiniana para o problema fé/razão é (1) crença, e depois (2) compreensão. Evidentemente encontramos muita filosofia nos trabalhos de escritores medievais, que usaram idéias e técnicas lógicas dos filósofos antigos para formular perguntas teológicas difíceis, incluindo tópicos da doutrina. Tomás de Aquino procurou a harmonia entre fé e razão. Ele classificou a filosofia como ‘ancilla theologiae’, a escrava da teologia. De outro lado, ele também diz que a teologia é um guia orientador para a filosofia. Afirmou que a filosofia e a teologia estão em harmonia porque ambas foram criadas por Deus. Se alguma filosofia entra em conflito com a teologia, então algum erro foi cometido, logo o filósofo deve voltar atrás e procurar o seu erro. Assim, admitirá que existe uma relação recíproca entre filosofia e teologia.

Em geral, há três facetas que caracterizam o pensamento medieval. (1) o uso da lógica, da dialética e da análise para descobrir a verdade – o princípio de argumentação racional ou ratio. (2) Respeito aos ‘insights’ dos antigos filósofos, em particular Aristóteles, e consideração à sua autoridade – princípio de auctoritas. (3) a obrigação de conciliar os ‘insights’ na filosofia com a transmissão teológica e a revelação – princípio da concordia. Sendo o último o mais importante. Seguramente, nenhuma outra questão preocupou os pensadores medievais mais do que a relação fé/razão.

Filosofia islâmica na Idade Media
Enquanto que o Judaísmo e a cristianismo começaram como uma religião de pequenos grupos, o Islamismo se desenvolveu como a religião de um império em expansão. Cem anos após a morte de Mohamed em 623 AD, através de conquista militar, o mundo Islâmico chegou à Índia, à África Norte e ao sul da Espanha.

Como resultado, muitos povos assimilaram a cultura muçulmana, assim o Islamismo entrou em contato com os sistemas teológicos do Judaísmo, do cristianismo, do Zoroastrianismo e das filosofias Hindu e Grega. Isto incentivou teólogos Islâmicos a aplicar diversas idéias e princípios filosóficos para interpretar doutrinas Relativas ao Alcorão.

A primeira etapa deste processo foi a tradução para o árabe de trabalhos filosóficos e científicos gregos que tinham sido preservados por Cristãos Orientais na Mesopotâmia, na Síria e no Egito. Os tradutores foram em maior parte Nestorianos e Cristãos Jacobitas, que trabalharam por duzentos anos após o primeiro período Abbasid (c. 800). O tradutor mais importante deste grupo foi Hunayn Ibn Ishaq (809-873), cristão que dominava o siríaco, conhecido pelos Latinos como Joannitius. Os textos, primeiro, foram traduzidos para o siríaco e depois para o árabe. Apesar das limitações mas priorizando o conteúdo e não a elegância, as traduções foram geralmente exatas, .

No século X, outra escola surgiu entre os Jacobitas que conhecendo pouco de grego utilizavam somente traduções em siríaco. Foram traduzidos quase todos os trabalhos de Aristóteles, os textos de comentaristas como Alexander de Aphrodisias, Themistius e Theophrastus e a maior parte dos diálogos de Platão inclusive alguns trabalhos de Neoplatônicos.

A etapa seguinte foi o desenvolvimento da teologia Islâmica pelos Mutakallimiin, divida em Mu'tazilites e o Ash'arites. Os Mu'tazilites originaram-se em grupos que se encontravam em Basrah e a Bagdá para discutir como as idéias filosóficas gregas poderiam ajudar a resolver certos problemas teológicos, como unidade divina e como os seres humanos podem ser livres mesmo sob a onipotência de Deus. Também desenvolveram provas da criação do mundo, aplicando idéias Neoplatônicas do Cristianismo. Os Ash'arites (fundado por al--Ash'ari, 873-935) tentavam esclarecer doutrinas Relativas ao Alcorão. Negaram a existência de qualquer causação exceto por Deus, e por isso negaram o livre arbítrio. Por que algo acontece? ‘Vontade de Deus’.

Al--Kindi (801–873) é geralmente considerado o primeiro filósofo Aristotélico. Ele defendeu o estudo independente da filosofia, e também escreveu sobre ciência e lógica. Al--Razi (865-c. 925), em contraste, defendeu Platão contra Aristóteles, considerado por ele um corruptor da filosofia. O Aristotelismo continuou com al--Farabi (870-930) e Ibn Sina, conhecido pelos Latinos como Avicenna (980-1037). O teólogo Ash'arite al--Ghazali (1058-1111), representa a reação Islâmica à Aristóteles. Ghazali, amargamente, denunciou Aristóteles, Sócrates e outros escritores gregos como infieis e rotulou aqueles que empregaram seus métodos e idéias como corruptores da fé Islâmica.

O Aristotelismo Islâmico chegou ao apogeu com Ibn Rushd, conhecido pelos Latinos como Averroes, bem conhecido no ocidente pelos seus comentários sobre Aristóteles. As traduções hebraicas do seu trabalho também tiveram um impacto duradouro na filosofia judaica.

Medieval Philosophy: Wikipedia

FILOSOFIA DA RENASCENÇA

A filosofia da Renascença é o período da história da filosofia na Europa que, grosso modo, ocupa o espaço entre a Idade Média e o Iluminismo. Inclui o século XV; alguns eruditos estendem-na de 1350 até ao século XVI ou início do século XVII, justapondo-se à Reforma e à primeira era moderna. Entre os elementos característicos da Renascença filosófica são: a revivificação (Renascença significa "renascimento") da civilização clássica e da educação; um regresso parcial à autoridade de Platão substituindo a de Aristóteles, que havia dominado a filosofia medieval; e, entre alguns filósofos, o entusiasmo pelo oculto e Hermetismo.

Aceita-se que a Renascença teve início na Itália com a Renascença Italiana difundindo-se pela Europa e que a Renascença Inglesa incluiu Shakespeare no momento em que a Itália percorria o Maneirismo e o Barroco. Alguns historiadores vêem a Reforma e a Contra-reforma separadas da Renascença, enquanto outros vêem o Renascimento como um período mais abrangente.

O Renascimento é descrito frequentemente, como revitalização de modelos clássicos da Europa Medieval, a busca do naturalismo substituindo o estilismo na Arte, a reemergência da matemática atrelada à filosofia. Os pontos de partida considerados importantes são: a expansão do comércio com a China e a Índia, a técnica da impressão, e a revivificação da aprendizagem. O grego foi estudado novamente na Itália na metade do século XIV, e em 1462 uma “Academia Platônica" foi fundada em Florença por Cosimo de’ Medici.

A palavra mais importante empregada na Renascença é "humanismo"—isto é, uma ampliação do enfoque no temporal e na pessoa em substituição à visão cristã deste mundo como uma passagem ao paraíso. Pico della Mirandola (1463-1494) escreveu a Oratio de Hominis Dignitate ou Discurso sobre a Dignidade do Homem em 1486. Às vezes chamado "o manifesto da Renascença", ele recorre a Platão e a Aristóteles para justificar um conceito de valor humano que, enquanto radicado na fé, se estende como uma crença na capacidade humana de abranger todo o conhecimento. Wikipedia: Renaissance Philosophy

FILOSOFIA DO SÉCULO XVII / IDADE DA RAZÃO

A filosofia do século XVII no Ocidente é considerada como ponto de partida para a filosofia moderna, e como libertação do enfoque medieval, especialmente da escolástica. A comumente chamada de "Idade da Razão" sucedeu a Renascença e antecedeu o iluminismo. Também, pode ser vista como a fase inicial do Iluminismo.

A Filosofia Ocidental considera o início do período moderno no século XVII — mais especificamente, com os trabalhos de René Descartes, que estabeleceu a maior parte da agenda e da metodologia para aqueles que vieram em seguida. Tal período é respeitado na Europa pelos grandes construtores de sistema — filósofos que apresentaram sistemas unificados de epistemologia, metafísica, lógica, ética, e também de política e ciências físicas.

Immanuel Kant classificou os seus predecessores em duas escolas: os Racionalistas e os Empiristas, e a Filosofia Moderna, no início, (séculos XVII e XVII) é usualmente caracterizada quanto ao suposto conflito entre essas escolas. Esta divisão é uma simplificação considerável, e é importante estar consciente que os filósofos implicados não pensaram neles como pertencendo a essas escolas, mas envolvidos em um projeto filosófico único.

Embora equivocada de alguma forma, esta classificação continuou sendo usada até hoje, especialmente quando se escreve sobre os séculos XVII e XVIII. Os três principais Racionalistas, normalmente considerados, são René Descartes, Baruch Spinoza, e Gottfried Leibniz. Os três principais Empiristas foram John Locke, George Berkeley, e David Hume influenciados por seus predecessores ingleses Francis Bacon e Thomas Hobbes. Os Racionalistas admitiam que, em princípio (embora não na prática), todo o conhecimento pode ser adquirido, apenas, pelo poder da nossa razão; os Empiristas rejeitaram isto, acreditando que todo o conhecimento procede da experiência através dos sentidos, Assim os Racionalistas tomaram a matemática como o seu modelo do conhecimento, e os Empiristas, a física.

Esta ênfase na epistemologia está na raiz da distinção de Kant; mas enfocando vários filósofos quanto às suas teorias metafísicas, morais, ou lingüísticas, eles podem ser classificados de maneiras diferentes. Mesmo partindo da epistemologia, entretanto, a distinção é questionável: por exemplo, a maior parte dos Racionalistas aceitou que na prática tivemos de confiar nas ciências para conhecer o mundo externo, e muitos deles estiveram envolvidos na pesquisa científica; os Empíricos, de outro lado, geralmente aceitavam que o conhecimento a priori foi possível nos campos de matemática e lógica,

Este período também viu o nascimento de alguns clássicos do pensamento político, especialmente o Leviatã de Thomas Hobbes, e Dois Tratados sobre o Governo de Locke.

O século XVII, na Europa, presenciou o fim do lento processo que levou à distinção entre filosofia e teologia. Embora alguns filósofos argumentaram à respeito da existência de – deus, isto foi feito como exercício de reflexão filosófica. (O Iluminismo, a Idade da Razão e a filosofia do século XVIII foram mais além, abandonando completamente a religião e a teologia.)

Wikipedia: 17th-century philosophy

FILOSOFIA DO SÉCULO XVIII / ILUMINISMO

Iluminismo (da palavra alemã Aufklärung, significando "Iluminação") caracteriza a filosofia Européia e a Americana no século XVIII, ou um período mais longo incluindo o século XVII, a Idade da Razão. Refere-se mais estreitamente ao movimento intelectual que situou a Razão como instrumento para a elaboração de um sistema consistente sobre estética, ética, governo, e lógica, permitindo aos filósofos obter conhecimentos objetivos sobre o universo.

Inspirados na revolução deflagrada pela Mecânica Newtoniana , os pensadores do Iluminismo argumentaram que a mesma espécie de pensamento sistemático poderia ser aplicado a todas as formas de atividade humana. Por isso, o Iluminismo, muitas vezes, foi intimamente associado à Revolução Científica , já que ambos os movimentos priorizaram o empirismo, a razão, a ciência e a racionalidade. Levado à esfera política na investigação do status, direitos e responsabilidades do indivíduo e da sociedade, seus líderes acreditaram que poderiam conduzir o mundo ao progresso após um período longo de tradição obscura, irracionalidade, superstição, e tirania, denominado por eles de Idade das Trevas. Esse movimento ajudou a criar as bases intelectuais para as Revoluções Americana e Francesa, para a independência da América Latina e para a Constituição Polonesa de 1791; e contribuiu para a emergência do liberalismo clássico, da democracia e do capitalismo.

O Iluminismo está associado às fases finais do baroco e da música clássica, e o período neoclássico nas artes; considerado um dos modelos centrais em muitos movimentos do período moderno.

O Iluminismo influiu no Haskalah judaico, que na Europa Ocidental e em particular na Alemanha resultou na substituição do Yiddish pelo Hebraico, bem como no movimento: Judaismo reformista.

O iluminismo, como movimento, ocorreu inicialmente na Alemanha, França, Grã Bretanha e Espanha, mas se espalhou por outros países. Os Estados Unidos da América foram influenciados substancialmente por ideais do iluminismo, particularmente nas esferas religiosa (Deismo), econômica ("o mercado livre"), e na governamental (United States Bill of Rights).

Contents

Wikipedia: XVIII Century

FILOSOFIA DO SÉCULO XIX / ROMANTISMO

No século XVIII as filosofias do Iluminismo começaram a ter um efeito dramático, os trabalhos significativos de filósofos como Immanuel Kant e Jean-Jacques Rousseau influenciaram a nova geração de pensadores. Até o final do século XVIII o movimento conhecido como o Romantismo procurou combinar a racionalidade formal do passado, com um maior e mais imediato sentido emocional e orgânico do mundo. As idéias-chave que estimularam esta modificação foram a evolução, então proposta por Erasmus, Darwin e Johann Wolfgang von Goethe, e o que poderia ser chamado agora a ordem emergente, o livre mercado de Adam Smith.

As pressões por igualitarismo, e transformações mais rápidas culminaram em um período de revolução e turbulência que seriam vistas como mudanças na filosofia.

Com os anos tumultuosos de 1789-1815, a cultura européia foi transformada por revolução, guerra e ruptura. Destruindo muitos dos sustentáculos sociais e culturais do século anterior, essa etapa assumiu dramáticas mudanças na economia e na política. A filosofia européia participou, e dirigiu muitas dessas modificações.

O último terço do século XVIII produziu numerosas idéias e trabalhos que sistematizariam a filosofia precedente, e contribuiriam para uma profunda reflexão sobre os fundamentos da própria filosofia. Immanuel Kant é o nome mais mencionado entre as mais importantes influências, assim como, Jean-Jacques Rousseau. Embora sejam produtos do século XVIII, suas concepções ultrapassaram as fronteiras da sua época. Na tentativa de explicar a natureza do estado e do governo, Rousseau abalaria as bases do governo com a sua declaração de que "o Homem nasce livre, mas a todo momento é acorrentado". Kant, tentando conservar o ceticismo axiomático, foi forçado a argumentar que não vemos a realidade, nem falamos dela, apenas ela nos aparece.

Um dos primeiros filósofos a tentar sintetizar essa influencia foi Johann Gottlieb Fichte, cujo trabalho fora da metafísica Kantiana incluiu a incorporação do que se tornaria o principal movimento em artes e literatura européias pelos próximos 50 anos, Romantismo. Fichte argumenta no Wissenschaftslehre que o self se coloca por si mesmo e é auto-produzido e um processo de mudança.

Wikipedia: XIX century

List of philosophers